domingo, 18 de março de 2012

Colar de Conchas

Sentimentos dispersos inquietações evasões
Forças contidas estranhas ao meu corpo
Imagens tremidas desprovidas de força
De repente como que por magia
Aromas sabores amores energia e cores...muitas cores
Frutas versos e música de embalar ou para dançar
Ternuras de ti e de nós aos olhos do Mundo
Flor de amendoeira de laranjeira qualquer flor
Com perfume de amor de qualquer cor
Que libertam fragrâncias que nos envolvem
Num abraço num beijo num afago
Desejo urgente ânsia de  provar desse doce com sabor a fruta madura
Amadurecida ao Sol de um Verão repleto de noites de luar
Enfim sentir sentimentos serenados em caminhos trilhados a dois
O tempo não nos tornou menos sensíveis apenas nos deixou mais contidos e unidos
Os sonhos existem ainda e passam por nós sem encontram ninho ou caminho
Outros porém descansam suavemente dormindo nos nossos lençóis
Momentos nossos pairam à tona da onda que se desfaz na areia fina e dourada
O mar desesperado revolta-se a cada onda escondendo os peixes
Reparo que a chuva também quis aparecer figurar nesta história
Já sinto o toque das suas gotas minúsculas e certeiras
Partículas de cristal que me refrescam e me relembram desse medo imenso de te perder
Será que tudo não passa de um sonho de um ideal afinal
Percebo que sonho acordada ilusões de menina mimada
Afinal a chuva não apagou a chama desta dor estampada no rosto de mulher esgotada
Mulher que entende orgulhosamente o tapete das memórias ao sabor das vitorias
Escancarando as cortinas do teatro da Vida
Para sentir o palco as luzes e o brilho da historia…
A minha personagem devidamente retocada e estruturada
Tento morder a ameixa amadurecida ao Sol e arranco o malmequer para desfolhar
Deixo desvanecer o aroma da limonada que me tira a sede que me hidrata os sentidos
Sequei  por fim as gotas da chuva do meu rosto e banhei-me no mar
Depois dancei com os peixes uma valsa demorada
Fiz um colar de conchas desenhei o meu nome na areia e lembrei-me de nós
Espreguicei-me soltei os cabelos pestanejei ...e sorri
Depois... olhei para o lado e vi que dormias…nos nossos lençóis


4 comentários:

  1. Acabei de te enviar uma mensagem e depois leio este texto. Sentimentos contraditórios, amargo/doces e esta inquietude, esta ânsia que às vezes também sinto e que acabas por retratar tão bem nestas palavras. E ainda dizem que não há coincidências!!!! Pode ser que não, mas há de certeza transmissão de pensamentos...
    beijo mj

    ResponderEliminar
  2. Muito profundo. Sentimentos que já passaram pela cabeça de todos nós, em alguma altura da nossa vida. Bjs.

    ResponderEliminar